Em formação

13,66: Crescimento e Desenvolvimento do Feto - Biologia

13,66: Crescimento e Desenvolvimento do Feto - Biologia



We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

O que caracteriza este feto como humano?

O feto humano. Observe os detalhes no rosto e nas mãos. Compare isso com o embrião humano, e a quantidade de crescimento e desenvolvimento é verdadeiramente notável.

Crescimento e Desenvolvimento do Feto

Do final da oitava semana até o nascimento, o organismo humano em desenvolvimento é referido como um feto. O nascimento normalmente ocorre cerca de 38 semanas após a fertilização, então o período fetal geralmente dura cerca de 30 semanas. Durante este tempo, conforme descrito em Figura abaixo, os órgãos completam seu desenvolvimento. O feto também cresce rapidamente em comprimento e peso.

Desenvolvimento Fetal (Semanas 9–38). O desenvolvimento do órgão é concluído e o tamanho do corpo aumenta dramaticamente durante as semanas 9–38.

Por volta da 38ª semana, o feto está totalmente desenvolvido e pronto para nascer (ver Figura abaixo). Um feto de 38 semanas normalmente varia de 36 a 51 centímetros (14–20 polegadas) de comprimento e pesa entre 2,7 e 4,6 kg (cerca de 6–10 libras).

Um feto de 38 semanas completou o desenvolvimento e nascerá em breve.

Resumo

  • O estágio fetal começa cerca de dois meses após a fertilização e continua até o nascimento.
  • Durante esse estágio, os órgãos continuam a se desenvolver e o feto cresce de tamanho.

Análise

  1. Faça um fluxograma do desenvolvimento embrionário e fetal.
  2. Por que um embrião seria mais suscetível do que um feto a danos por toxinas?

Desenvolvimento fetal: estágios de crescimento

O início da gravidez é, na verdade, o primeiro dia de sua última menstruação. Isso é chamado de idade gestacional ou idade menstrual. É cerca de duas semanas antes de a concepção realmente ocorrer. Embora possa parecer estranho, a data do primeiro dia da sua última menstruação será uma data importante para determinar a data do parto do seu bebê. Seu provedor de serviços de saúde perguntará sobre essa data e a usará para descobrir o quanto você está grávida.

Como funciona a concepção?

A cada mês, seu corpo passa por um ciclo reprodutivo que pode terminar de duas maneiras. Você terá um período menstrual ou ficará grávida. Este ciclo está acontecendo continuamente durante seus anos reprodutivos - desde a puberdade na adolescência até a menopausa por volta dos 50 anos.

Em um ciclo que termina com a gravidez, existem várias etapas. Primeiro, um grupo de óvulos (chamados oócitos) se prepara para deixar o ovário para a ovulação (liberação do óvulo). Os óvulos se desenvolvem em pequenos cistos cheios de líquido chamados folículos. Pense nesses folículos como pequenos recipientes para cada ovo imaturo. Fora desse grupo de ovos, um se torna maduro e continua ao longo do ciclo. Esse folículo então suprime todos os outros folículos do grupo. Os outros folículos param de crescer neste ponto.

O folículo maduro agora se abre e libera o óvulo do ovário. Isso é ovulação. A ovulação geralmente ocorre cerca de duas semanas antes do início do próximo período menstrual. Geralmente está no meio do seu ciclo.

Após a ovulação, o folículo aberto (rompido) se desenvolve em uma estrutura chamada corpo lúteo. Isso secreta (libera) os hormônios progesterona e estrogênio. A progesterona ajuda a preparar o endométrio (revestimento do útero). Este forro é o local onde o óvulo fertilizado se estabelece para se desenvolver. Se você não engravida durante um ciclo, esse forro é o que é eliminado durante o período.

Em média, a fertilização acontece cerca de duas semanas após o seu último período menstrual. Quando o espermatozóide penetra no óvulo, ocorrem mudanças no revestimento de proteína do óvulo para evitar que outros espermatozoides entrem.

No momento da fertilização, a composição genética do seu bebê está completa, incluindo seu sexo. O sexo do seu bebê depende do esperma que fertiliza o óvulo no momento da concepção. Geralmente, as mulheres têm uma combinação genética de XX e os homens têm XY. Como mãe, você fornece a cada óvulo um X. Cada esperma pode ser um X ou um Y. Se o óvulo fertilizado e o espermatozóide forem uma combinação de um X e Y, é um menino. Se houver dois Xs, é uma menina.

O que acontece logo após a concepção?

Dentro de 24 horas após a fertilização, o ovo começa a se dividir rapidamente em muitas células. Permanece na trompa de Falópio por cerca de três dias após a concepção. Em seguida, o óvulo fertilizado (agora chamado de blastócito) continua a se dividir à medida que passa lentamente pela trompa de Falópio até o útero. Uma vez lá, sua próxima tarefa é anexar ao endométrio. Isso é chamado de implantação.

Antes da implantação, porém, o blastócito rompe sua cobertura protetora. Quando o blastócito entra em contato com o endométrio, os dois trocam hormônios para ajudar o blastócito a se fixar. Algumas mulheres notam manchas (sangramento leve) durante um ou dois dias quando ocorre a implantação. Isso é normal e não é algo com que você deva se preocupar. Nesse ponto, o endométrio fica mais espesso e o colo do útero (a abertura entre o útero e o canal do parto) é selado por um tampão de muco.

Em três semanas, as células de blastócitos acabam formando uma pequena bola, ou um embrião. A essa altura, as primeiras células nervosas do bebê se formaram.

Seu bebê em desenvolvimento já passou por algumas mudanças de nome nas primeiras semanas de gravidez. Geralmente, seu bebê será chamado de embrião desde a concepção até a oitava semana de desenvolvimento. Após a oitava semana, o bebê será chamado de feto até o nascimento.

Quando posso saber que estou grávida?

Desde o momento da concepção, o hormônio gonadotrofina coriônica humana (hCG) estará presente em seu sangue. Este hormônio é criado pelas células que formam a placenta (fonte de alimento para o bebê no útero). É também o hormônio detectado em um teste de gravidez. Mesmo que esse hormônio esteja lá desde o início, leva tempo para se formar em seu corpo. Normalmente leva de três a quatro semanas desde o primeiro dia de sua última menstruação para que o hCG aumente o suficiente para ser detectado por testes de gravidez.

Quando devo entrar em contato com meu médico sobre uma nova gravidez?

A maioria dos profissionais de saúde fará com que você espere para chegar para uma consulta até que o teste de gravidez em casa seja positivo. Esses testes são muito precisos, uma vez que você tenha hCG suficiente circulando por todo o corpo. Isso pode acontecer algumas semanas após a concepção. É melhor ligar para o seu médico assim que tiver um teste de gravidez positivo para agendar sua primeira consulta.

Quando você ligar, seu médico poderá perguntar se você está tomando uma vitamina pré-natal. Esses suplementos contêm algo chamado ácido fólico. É importante que você ingerir pelo menos 400mcg de ácido fólico por dia durante a gravidez para garantir que o tubo neural do bebê (início do cérebro e da coluna do bebê) se desenvolva corretamente. Muitos profissionais de saúde sugerem que você tome vitaminas pré-natais com ácido fólico, mesmo quando não estiver grávida. Se você não estava tomando vitaminas pré-natais antes da gravidez, seu provedor pode pedir que você comece o mais cedo possível.

Qual é o cronograma para o desenvolvimento do meu bebê?

Seu bebê mudará muito durante uma gravidez normal. Esse tempo é dividido em três etapas, chamadas de trimestres. Cada trimestre é um conjunto de cerca de três meses. Seu provedor de serviços de saúde provavelmente conversará com você sobre o desenvolvimento do seu bebê em semanas. Portanto, se você está com três meses de gravidez, tem cerca de 12 semanas.

Você verá mudanças distintas em seu bebê e em você durante cada trimestre.

Tradicionalmente, pensamos na gravidez como um processo de nove meses. No entanto, nem sempre é esse o caso. Uma gravidez a termo dura 40 semanas ou 280 dias. Dependendo dos meses em que você está grávida (alguns são mais curtos e outros mais longos) e da semana do parto, você pode ficar grávida por nove ou dez meses. Isso é completamente normal e saudável.

Quando você estiver perto do final da gravidez, há vários nomes de categorias que você pode ouvir sobre quando entrar em trabalho de parto. Esses rótulos dividem as últimas semanas de gravidez. Eles também são usados ​​para cuidar de certas complicações em recém-nascidos. Os bebês nascidos no período inicial ou antes do termo podem ter um risco maior de problemas respiratórios, auditivos ou de aprendizagem do que os bebês nascidos algumas semanas mais tarde no período de termo. Quando você olha para esses rótulos, é importante saber como eles estão escritos. Você pode ver a semana primeiro (38) e, em seguida, verá dois números separados por uma barra (6/7). Isso significa quantos dias você está atualmente na semana de gestação. Portanto, se você vir 38 6/7, significa que está no dia 6 de sua 38ª semana.

As últimas semanas de gravidez são divididas nos seguintes grupos:

  • Termo inicial: 37 0/7 semanas a 38 6/7 semanas.
  • Termo completo: 39 0/7 semanas a 40 6/7 semanas.
  • Termo atrasado: 41 0/7 semanas a 41 6/7 semanas.
  • Post termo: 42 0/7 semanas e assim por diante.

Converse com seu médico sobre qualquer dúvida que você possa ter sobre a idade gestacional e a data de vencimento do seu bebê.

Estágios de crescimento mês a mês na gravidez

Primeiro trimestre

O primeiro trimestre vai da concepção às 12 semanas. Geralmente, são os primeiros três meses de gravidez. Durante este trimestre, seu bebê vai mudar de um pequeno grupo de células para um feto que está começando a ter as características de um bebê.

Mês 1 (semanas 1 a 4)

À medida que o ovo fertilizado cresce, um saco impermeável se forma ao redor dele, gradualmente se enchendo de líquido. Isso é chamado de saco amniótico e ajuda a proteger o embrião em crescimento.

Durante esse tempo, a placenta também se desenvolve. A placenta é um órgão redondo e achatado que transfere nutrientes da mãe para o bebê e transfere os resíduos do bebê. Pense na placenta como uma fonte de alimento para seu bebê durante a gravidez.

Nessas primeiras semanas, um rosto primitivo assumirá a forma com grandes olheiras no lugar dos olhos. A boca, o maxilar inferior e a garganta estão se desenvolvendo. As células sanguíneas estão tomando forma e a circulação começará. O minúsculo tubo do & quotheart & quot baterá 65 vezes por minuto no final da quarta semana.

No final do primeiro mês, seu bebê tem cerca de 1/4 de polegada de comprimento - menor que um grão de arroz.

Mês 2 (semanas 5 a 8)

As características faciais do seu bebê continuam a se desenvolver. Cada orelha começa como uma pequena dobra de pele na lateral da cabeça. Pequenos botões que eventualmente crescem em braços e pernas estão se formando. Dedos, dedos das mãos e olhos também estão se formando.

O tubo neural (cérebro, medula espinhal e outro tecido neural do sistema nervoso central) está bem formado agora. O trato digestivo e os órgãos sensoriais também começam a se desenvolver. O osso começa a substituir a cartilagem.

A cabeça do seu bebê é grande em proporção ao resto do corpo neste ponto. Por volta das 6 semanas, os batimentos cardíacos do seu bebê geralmente podem ser detectados.

Após a 8ª semana, seu bebê é denominado feto em vez de embrião.

No final do segundo mês, seu bebê tem cerca de 1 polegada de comprimento e pesa cerca de 1/30 de uma onça.

Mês 3 (semanas 9 a 12)

Os braços, mãos, dedos, pés e dedos do pé do seu bebê estão totalmente formados. Nesse estágio, seu bebê está começando a explorar um pouco, fazendo coisas como abrir e fechar os punhos e a boca. As unhas dos pés e das mãos estão começando a se desenvolver e as orelhas externas estão formadas. O início dos dentes está se formando sob as gengivas. Os órgãos reprodutivos do seu bebê também se desenvolvem, mas o sexo do bebê é difícil de distinguir na ultrassonografia.

No final do terceiro mês, seu bebê está totalmente formado. Todos os órgãos e membros (extremidades) estão presentes e continuarão a se desenvolver para se tornarem funcionais. Os sistemas circulatório e urinário do bebê também estão funcionando e o fígado produz a bile.

No final do terceiro mês, seu bebê tem cerca de 10 centímetros de comprimento e pesa cerca de 30 gramas.

Como o desenvolvimento mais crítico do seu bebê ocorreu, sua chance de aborto espontâneo diminui consideravelmente após três meses.

Segundo trimestre

Essa fase intermediária da gravidez é freqüentemente considerada a melhor parte da experiência. A essa altura, qualquer enjôo matinal provavelmente já passou e o desconforto do início da gravidez desapareceu. O bebê começará a desenvolver características faciais durante este mês. Você também pode começar a sentir movimentos quando o bebê vira e vira no útero. Durante este trimestre, muitas pessoas descobrem o sexo do bebê. Isso normalmente é feito durante uma varredura de anatomia (um ultrassom que verifica o desenvolvimento físico do seu bebê) por volta das 20 semanas.

Mês 4 (semanas 13 a 16)

Os batimentos cardíacos do seu bebê agora podem ser audíveis por meio de um instrumento chamado doppler. Os dedos das mãos e dos pés são bem definidos. Formam-se pálpebras, sobrancelhas, cílios, unhas e cabelos. Os dentes e os ossos ficam mais densos. Seu bebê pode até chupar o dedo, bocejar, se esticar e fazer caretas.

O sistema nervoso está começando a funcionar. Os órgãos reprodutivos e genitais agora estão totalmente desenvolvidos e seu médico pode ver na ultrassonografia se você vai ter um menino ou uma menina.

No final do quarto mês, seu bebê tem cerca de 15 centímetros de comprimento e pesa cerca de 120 gramas.

Mês 5 (semanas 17 a 20)

Nesse estágio, você pode começar a sentir seu bebê se mexendo. Seu bebê está desenvolvendo músculos e os exercitando. Este primeiro movimento é chamado de aceleração e pode parecer uma vibração.

O cabelo começa a crescer na cabeça do bebê. Os ombros, costas e têmporas do seu bebê são cobertos por um cabelo fino e macio chamado lanugo. Este cabelo protege o seu bebê e geralmente é eliminado no final da primeira semana de vida do bebê.

A pele do bebê é coberta por uma camada esbranquiçada chamada vernix caseosa. Acredita-se que esta substância & quot; queijo & quot; protege a pele do seu bebê da longa exposição ao líquido amniótico. Este revestimento é eliminado pouco antes do nascimento.

No final do quinto mês, seu bebê tem cerca de 25 centímetros de comprimento e pesa de 1/2 a 500 gramas.

Mês 6 (semanas 21 a 24)

Se você pudesse olhar dentro do útero para seu bebê agora, veria que a pele do bebê é avermelhada, enrugada e as veias são visíveis através da pele translúcida do bebê. As impressões dos dedos das mãos e dos pés do bebê são visíveis. Nesse estágio, as pálpebras começam a se abrir e os olhos se abrem.

O bebê responde aos sons movendo ou aumentando a pulsação. Você pode notar movimentos bruscos se o bebê soluçar.

Se nascer prematuro, seu bebê pode sobreviver após a 23ª semana com cuidados intensivos.

No final do sexto mês, seu bebê tem cerca de 30 centímetros de comprimento e pesa cerca de 1 quilo.

Mês 7 (semanas 25 a 28)

Seu bebê continuará a amadurecer e a desenvolver reservas de gordura corporal. Neste ponto, a audição do bebê está totalmente desenvolvida. O bebê muda de posição com frequência e responde a estímulos, incluindo som, dor e luz. O líquido amniótico começa a diminuir.

Se nascer prematuramente, seu bebê provavelmente sobreviverá após o sétimo mês.

No final do sétimo mês, seu bebê tem cerca de 35 centímetros de comprimento e pesa de 1 a 2 quilos.

Terceiro trimestre

Esta é a parte final da sua gravidez. Você pode ficar tentado a iniciar a contagem regressiva até a data do parto e esperar que chegue mais cedo, mas cada semana desse estágio final de desenvolvimento ajuda seu bebê a se preparar para o parto. Ao longo do terceiro trimestre, seu bebê ganhará peso rapidamente, adicionando gordura corporal que o ajudará após o nascimento.

Lembre-se de que, embora a cultura popular mencione apenas nove meses de gravidez, você pode na verdade ficar grávida de dez meses. A gravidez típica a termo é de 40 semanas, o que pode levar você ao décimo mês. Também é possível que você ultrapasse a data de vencimento em uma ou duas semanas (41 ou 42 semanas). Seu provedor de serviços de saúde irá monitorá-lo de perto conforme você se aproxima da data de vencimento. Se você ultrapassar a data de vencimento e não entrar em trabalho de parto espontâneo, seu provedor pode induzi-lo. Isso significa que os medicamentos serão usados ​​para fazer você entrar em trabalho de parto e ter o bebê. Certifique-se de falar com seu médico durante este trimestre sobre seu plano de parto.

Mês 8 (semanas 29 a 32)

Seu bebê continuará a amadurecer e a desenvolver reservas de gordura corporal. Você pode notar que seu bebê está chutando mais. O cérebro do bebê está se desenvolvendo rapidamente neste momento, e seu bebê pode ver e ouvir. A maioria dos sistemas internos está bem desenvolvida, mas os pulmões ainda podem estar imaturos.

Seu bebê tem cerca de 45 centímetros de comprimento e pesa cerca de 2 quilos.

Mês 9 (semanas 33 a 36)

Durante esta fase, seu bebê continuará a crescer e amadurecer. Os pulmões estão quase totalmente desenvolvidos neste ponto.

Os reflexos do seu bebê são coordenados para que ele possa piscar, fechar os olhos, virar a cabeça, segurar com firmeza e responder a sons, luz e toque.

Seu bebê tem cerca de 17 a 19 polegadas de comprimento e pesa de 5 e # 189 libras a 6 e # 189 libras.

Mês 10 (semanas 37 a 40)

Neste último mês, você pode entrar em trabalho de parto a qualquer momento. Você pode notar que seu bebê se move menos devido ao espaço apertado. Neste ponto, a posição do seu bebê pode ter mudado para se preparar para o nascimento. O ideal é que o bebê esteja de cabeça para baixo no útero. Você pode se sentir muito desconfortável neste período final, enquanto o bebê desce para a pélvis e se prepara para o parto.

Seu bebê está pronto para encontrar o mundo neste momento.

Seu bebê tem cerca de 45 a 50 centímetros de comprimento e pesa cerca de 3,5 quilos.

Revisto pela última vez por um profissional médico da Cleveland Clinic em 16/04/2020.

Referências

  • O Colégio Americano de Obstetras e Ginecologistas. Como seu feto cresce durante a gravidez. Acessado em 17/04/2020.
  • Associação Americana de Gravidez. Desenvolvimento fetal. Acessado em 17/04/2020.
  • Centros de Controle e Prevenção de Doenças. Durante a gravidez. Acessado em 17/04/2020.
  • Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos EUA, Escritório de Saúde da Mulher. Fases da gravidez. Acessado em 17/04/2020.

A Cleveland Clinic é um centro médico acadêmico sem fins lucrativos. Anunciar em nosso site ajuda a apoiar nossa missão. Não endossamos produtos ou serviços que não sejam da Cleveland Clinic. Política

A Cleveland Clinic é um centro médico acadêmico sem fins lucrativos. Anunciar em nosso site ajuda a apoiar nossa missão. Não endossamos produtos ou serviços que não sejam da Cleveland Clinic. Política

A Cleveland Clinic é um centro médico acadêmico sem fins lucrativos. Anunciar em nosso site ajuda a apoiar nossa missão. Não endossamos produtos ou serviços que não sejam da Cleveland Clinic. Política

Institutos e serviços relacionados

Instituto de saúde obstétrico / ginecologista e feminino # 39s
Cleveland Clinic Children & # 39s

A Cleveland Clinic é um centro médico acadêmico sem fins lucrativos. Anunciar em nosso site ajuda a apoiar nossa missão. Não endossamos produtos ou serviços que não sejam da Cleveland Clinic. Política

A Cleveland Clinic é um centro médico acadêmico sem fins lucrativos. Anunciar em nosso site ajuda a apoiar nossa missão. Não endossamos produtos ou serviços que não sejam da Cleveland Clinic. Política

A Cleveland Clinic é um centro médico acadêmico sem fins lucrativos. Anunciar em nosso site ajuda a apoiar nossa missão. Não endossamos produtos ou serviços que não sejam da Cleveland Clinic. Política

A Cleveland Clinic é um centro médico acadêmico sem fins lucrativos. Anunciar em nosso site ajuda a apoiar nossa missão. Não endossamos produtos ou serviços que não sejam da Cleveland Clinic. Política

A Cleveland Clinic é um centro médico acadêmico sem fins lucrativos. Anunciar em nosso site ajuda a apoiar nossa missão. Não endossamos produtos ou serviços que não sejam da Cleveland Clinic. Política


Crescimento e função da placenta humana normal

A placenta é o órgão altamente especializado da gravidez que suporta o crescimento e desenvolvimento normais do feto. O crescimento e a função da placenta são precisamente regulados e coordenados para garantir que a troca de nutrientes e produtos residuais entre os sistemas circulatórios materno e fetal opere com eficiência máxima. As principais unidades funcionais da placenta são as vilosidades coriônicas dentro das quais o sangue fetal é separado por apenas três ou quatro camadas de células (membrana placentária) do sangue materno no espaço interviloso circundante. Após a implantação, as células trofoblásticas proliferam e se diferenciam ao longo de duas vias descritas como vilosas e extravilosas. As células do citotrofoblasto viloso não migratórias se fundem para formar o sincitiotrofoblasto multinucleado, que forma a camada epitelial externa das vilosidades coriônicas. É nos ramos terminais das vilosidades coriônicas que ocorre a maioria das trocas fetal / materna. As células trofoblásticas extravilosas migram para a decídua e remodelam as artérias uterinas. Isso facilita o fluxo sanguíneo para a placenta por meio de vasos dilatados e complacentes, que não respondem ao controle vasomotor materno. A placenta atua fornecendo oxigênio e nutrientes ao feto, enquanto remove o dióxido de carbono e outros produtos residuais. Ele metaboliza várias substâncias e pode liberar produtos metabólicos na circulação materna e / ou fetal. A placenta pode ajudar a proteger o feto contra certas moléculas xenobióticas, infecções e doenças maternas. Além disso, ele libera hormônios nas circulações materna e fetal para afetar a gravidez, o metabolismo, o crescimento fetal, o parto e outras funções. Muitas mudanças funcionais da placenta ocorrem para acomodar as demandas metabólicas crescentes do feto em desenvolvimento durante a gestação.


Como posso cuidar do meu recém-nascido prematuro?

  • Sempre coloque seu recém-nascido de costas para dormir. Envolva-o em um cobertor. Mantenha a sala quieta e aquecida. Mantenha as luzes fracas.

  • Segure a cabeça do recém-nascido de forma que fique mais alta do que o estômago quando você o alimenta. Observe as mudanças na cor da pele quando ele ou ela comer. Pare de vez em quando para permitir que ele respire o suficiente entre as chupadas. Seu recém-nascido pode se cansar facilmente ao se alimentar. Pare de mamar se ele ou ela parecer cansado.
  • Não use um microondas para aquecer a mamadeira de seu recém-nascido. O leite ou a fórmula não aquecem uniformemente e apresentam manchas muito quentes. O rosto ou a boca do seu recém-nascido podem ficar queimados. Você pode aquecer o leite ou a fórmula rapidamente colocando a mamadeira em uma panela com água morna por alguns minutos.
  • Acompanhe o pediatra do seu recém-nascido conforme as instruções. São necessários exames médicos regulares e vacinas. Seu recém-nascido pode pegar infecções facilmente por causa de seu sistema imunológico fraco. É importante vacinar seu recém-nascido para proteger sua saúde.
  • Aprenda os comportamentos e sinais do seu recém-nascido. Seu recém-nascido chorará para que você saiba que está com fome, molhado ou quer sua atenção. Em breve você poderá ouvir as diferenças em seu choro. Estabeleça uma rotina de dormir e comer. Uma rotina regular é importante para garantir que você e seu recém-nascido descansem e durmam o suficiente. Uma rotina também faz com que seu recém-nascido se sinta seguro e aprenda a confiar em você.
  • Use cadeiras de carro ou camas aprovadas corretamente. Use uma cadeirinha sem arnês de proteção, pois a proteção pode ser muito alta para recém-nascidos pequenos. Coloque a cadeirinha no banco de trás do carro e fique de frente para ela. Certifique-se de que um adulto fique com seu recém-nascido nas costas. Peça instruções sobre como colocar um recém-nascido prematuro na cadeirinha ou na cama.

Acordo de Cuidados

© Copyright IBM Corporation 2021 As informações são para uso do Usuário Final apenas e não podem ser vendidas, redistribuídas ou de outra forma usadas para propósitos comerciais. Todas as ilustrações e imagens incluídas no CareNotes® são propriedade da A.D.A.M., Inc. ou IBM Watson Health


Esboço biográfico do diretor do NICHD Diana W. Bianchi, M.D.

Dr. Bianchi recebeu seu B.A. magna cum laude da University of Pennsylvania e seu M.D. da Stanford University School of Medicine. Ela completou seu treinamento de residência em Pediatria no Children's Hospital, Boston e seu treinamento de bolsa de pós-doutorado em Genética Médica e Medicina Neonatal-Perinatal, ambos em Harvard. Ela é certificada em todas as três especialidades e é uma geneticista médica com especialização em genética reprodutiva. A pesquisa translacional do Dr. Bianchi concentra-se em dois grandes temas: genômica pré-natal, com o objetivo de fazer o rastreamento e diagnóstico pré-natal não invasivo, e investigações do transcriptoma fetal para desenvolver novas terapias para doenças genéticas que podem ser administradas no pré-natal.

A Dra. Bianchi publicou mais de 290 artigos revisados ​​por pares e é uma das quatro autoras de Fetologia: Diagnóstico e Manejo do Paciente Fetal. Este livro ganhou o prêmio Association of American Publishers de melhor livro didático em medicina clínica em 2000. A segunda edição foi publicada em abril de 2010 e está em sua terceira impressão. Ele foi traduzido para o japonês, mandarim e espanhol.

A Dra. Bianchi é amplamente reconhecida por suas funções de liderança. Ela passou 23 anos no Tufts Medical Center, onde foi a Diretora Executiva fundadora do Mother Infant Research Institute, bem como a Professora Natalie V. Zucker de Pediatria, Obstetrícia e Ginecologia na Tufts University School of Medicine. O Dr. Bianchi também foi vice-presidente de pesquisa pediátrica do Floating Hospital for Children, Boston. De 2011 a 2015, ela atuou no Conselho Consultivo Nacional do NICHD. Atualmente é editora-chefe da revista internacional Diagnóstico pré-natal e é ex-presidente da Sociedade Internacional de Diagnóstico Pré-natal e da Sociedade de Pesquisa Perinatal. Ela é ex-membro do Conselho de Administração da American Society for Human Genetics e ex-membro do conselho da Society for Pediatric Research e da American Pediatric Society. Ela foi eleita membro da National Academy of Medicine (antigo Institute of Medicine) em 2013.

A Dra. Bianchi recebeu vários prêmios importantes pelo conjunto de sua obra. O Landmark Award, da American Academy of Pediatrics, foi concedido em 2015 em reconhecimento à sua pesquisa e contribuições para a genética e cuidados com o recém-nascido. O Prêmio Maureen Andrew de Mentoria, concedido em 2016 pela Society for Pediatric Research, reconheceu seu compromisso com a mentoria da próxima geração de cientistas clínicos. Ela também recebeu o prêmio Coronel Harland Sanders pelo conjunto de sua obra da March of Dimes em 2017 por contribuições significativas para a prevenção ou tratamento de defeitos congênitos e outras doenças genéticas.

Diretores de NICHD


6 pensamentos sobre & ldquo A evolução do ciclo de vida humano & rdquo

A parte mais interessante deste capítulo foi ler sobre as implicações evolutivas para as mudanças na história da vida. Faz sentido que qualquer alteração na teoria da história de vida culminaria em especiação, uma vez que os padrões de crescimento dos jovens têm um grande impacto nas estratégias reprodutivas. Eu estava particularmente interessado na seção sobre menopausa, uma vez que meu foco de pesquisa pessoal é a antropologia gerontológica. Eu levantaria a hipótese, e espero que eventualmente explore, a relação entre a confiança de uma cultura na aloparentalidade pelos avós e a duração correspondente dos "anos saudáveis" pós-reprodutivos por cada pai. Eu também levantaria a hipótese de que avós com netos de uma filha serão mais saudáveis ​​do que avós que só tiveram filhos homens, devido à ausência de qualquer incerteza parental. Alguém concordaria (ou discordaria)?

Que outros fatores externos podem afetar um feto in vivo?

Existem vários fatores, provavelmente mais do que a maioria das mulheres grávidas gostaria de saber, que podem afetar o feto no útero. Alguns desses fatores incluem dieta (por exemplo, valor nutritivo), qualidade do ar (por exemplo, poluição), estresse, quanto peso a mãe ganha ou não e idade da mãe. Acho muito interessantes os estudos que examinam os fatores que podem ter efeitos negativos e positivos no feto durante a gravidez. Acho que esse caminho específico de pesquisa é muito importante para informar as mulheres sobre os fatores que podem ter um papel em afetar positiva ou negativamente o crescimento do feto. Visto que a dieta alimentar é o fator mais fácil de controlar a gestante, acho que é o tema que a educação pública deveria dar mais ênfase. Existem tantos equívocos populares que tanto homens quanto mulheres continuam a acreditar e a seguir, como por exemplo, as mulheres grávidas devem comer o dobro porque comem por dois. Infelizmente, para aqueles que acreditam nesse equívoco, eles podem acabar ganhando mais peso do que o necessário durante a gravidez e, potencialmente, dando à luz um bebê de alto peso. Embora a maioria das pesquisas tenha se concentrado nas implicações do baixo peso ao nascer, um estudo recente encontrou uma associação positiva entre alto peso ao nascer (& gt

8,8 Ibs) e um risco aumentado de doenças malignas na infância e na idade adulta (ou seja, tumores malignos) (Ross 2006). Meu marido, eu quero começar a ter filhos nos próximos anos, então ter esse tipo de informação é pessoalmente muito importante para mim. Tenho uma boa ideia geral das coisas que devo e não devo fazer ou das quais devo estar ciente durante a gravidez. No entanto, existem alguns fatores que sei que não serei capaz de controlar, como a poluição.

Nós, ao contrário de outras espécies de primatas, temos um longo período de adolescência. É a nossa fase de vida mais longa antes da idade adulta. Isso pode ser porque aprendemos a nos mover pela sociedade durante a adolescência. Ter grupos sociais grandes e complexos requer que os humanos tenham mais tempo para desenvolver suas habilidades sociais. A maioria dos outros mamíferos que possuem grandes grupos sociais passa por algum tipo de estágio juvenil, embora não corresponda à adolescência humana. A adolescência humana também é caracterizada por surtos de crescimento esquelético, o que é interessante porque não ocorre em nenhum outro grande macaco.

Como seríamos diferentes se tivéssemos um período pós-natal?

Acho que perdi essa parte da leitura, mas o que significa período pós-natal? Pesquisei no Google e descobri que era igual ao período pós-parto da mulher, que a gente tem.

-Fatores externos que podem afetar o feto-

A dieta parece ser o fator mais óbvio que pode e pode afetar o feto, é também o fator que mais me afetaria. O risco de envenenamento por mercúrio ou metilmercúrio (encontrado em frutos do mar e peixes de água doce) pode causar grandes danos ao feto. Infelizmente, sou uma ávida comedora de frutos do mar e isso será difícil de acomodar se algum dia eu ficar grávida. A administração de alimentos e medicamentos dos Estados Unidos aconselha as mulheres grávidas a não comerem peixe-espada, tubarão, cavala ou peixe-azulejo. Alguns outros fatores que podem afetar o feto são químicos. O álcool (mesmo que seja pouco) pode causar problemas no desenvolvimento do cérebro. A quantidade de álcool em massa pode levar à síndrome do álcool fetal. Fumar também pode ter efeitos negativos no feto e é conhecido por retardar o crescimento do feto. Outros fatores incluem chumbo, dioxinas, poluição do ar e pesticidas. Muitos livros e blogs recomendam que mulheres grávidas fiquem longe de suprimentos de tinta, verifiquem a qualidade da água da torneira, certifique-se de que não estão morando em uma casa pintada com tinta à base de chumbo, lave bem todos os produtos e evite todos os produtos de limpeza rotulados como tóxicos .

Que outros fatores externos podem afetar um feto in vivo?

Existem muitos fatores que podem afetar um feto in vivo. Existem fatores que variam desde o ambiente até a dieta da mãe. Já discutimos em aula como a poluição do ar na qualidade do ar que a mãe inala durante a gravidez pode afetar o feto. A dieta da mãe também é muito importante porque influencia fortemente o desenvolvimento do bebê. Por exemplo, a Síndrome do Álcool Fetal é a consciência de uma mãe que consome álcool durante a gravidez e o resultado é a criança desfigurada e pode ter deficiência mental. Essa síndrome me intriga porque não se sabe muito sobre o que a causa. Eu aprendi sobre meu primeiro ano em uma aula de biologia, então pode haver mais pesquisas realizadas sobre ele que eu não saiba.

Que outros fatores externos podem afetar um feto in vivo?
Todo mundo parece estar respondendo a esta pergunta, mas ela me afeta pessoalmente, então eu também irei! Há anos que ouço que beber álcool é proibido durante a gravidez, mas recentemente tenho ouvido que é normal beber um pouco de vez em quando durante a gravidez. Eu acho que por causa de todos os fatores desconhecidos, ainda é desaconselhado pelo CDC etc., mas isso é definitivamente algo que me intrigou na primeira vez que ouvi.
Que mudanças fisiológicas precisaram ocorrer nos primeiros ancestrais humanos para acomodar cérebros maiores?
Além de crânios maiores (duh), teve que haver mudanças no canal de parto e no desenvolvimento pós-natal. A estrutura esquelética das mulheres precisava ser capaz de acomodar seus bebês com cabeça grande durante o parto. E mesmo quando essas mudanças ocorreram, os cérebros humanos ainda eram muito grandes, então um bom desenvolvimento ocorre nos primeiros meses após o nascimento.
Não tenho certeza se entendi o que você quis dizer com suas perguntas em "Alimento para reflexão".


The Embryo Project Encyclopedia

A embriogênese é um processo intrincado que pode ser facilmente interrompido por meio de agentes teratogênicos. Alguns desses agentes têm como alvo a "janela de suscetibilidade" do período embrionário, três a oito semanas após a última menstruação de uma mulher grávida, quando ocorre o maior grau de sensibilidade para a diferenciação de células embrionárias e formação de órgãos. O período embrionário ou período crítico é quando a maioria dos sistemas de órgãos se forma, enquanto o período fetal, da oitava semana até o nascimento, envolve o crescimento e a modelagem dos sistemas de órgãos. During the window of susceptibility, teratogens such as thalidomide can severely damage critical milestones of embryonic development.

Thalidomide was first produced in mass quantities by the German pharmaceutical company Chemie Grünenthal in October 1957. It was advertised under the name Contergan as a non-addictive, completely safe drug that could be prescribed to women during pregnancy as a mild sedative or remedy for morning sickness. But as time progressed and the drug’s popularity rose, public safety concerns began to arise as well. The first clue that something might be wrong came in 1961, when two physicians, working independently, noticed a high occurrence of serious birth defects in children born to women who had taken the drug. German pediatrician Widukind Lenz and Australian gynecologist and obstetrician William McBride reported their findings to, respectively, Chemie Grünenthal and the Australian pharmaceutical company Distillers Ltd. Among McBride’s patients, an infant had a one in five chance of acquiring a mesenchymal deformity if the mother had taken thalidomide. One of the most prominently observed deformities was phocomelia, a severe shortening or lack of limb structures. Other deformities, such as malformation or absence of the thumbs or ears as well as dislocation of the hip, heart defects, and malformed intestines, were also observed. In light of the factual evidence presented by Lenz and McBride, Chemie Grünenthal and Distillers Ltd. both halted their sales of thalidomide in the later months of 1961.

Although most cases of thalidomide-induced birth defects were seen in Germany (due to its rather easy acquisition by over-the-counter sales), babies in forty-six other countries, including the US, were affected. In 1962, Lenz reported that worldwide, more than 7,000 affected infants were born to women who took thalidomide, and that ingestion of even one tablet was sufficient to produce a child with deformities of all four limbs. Fifty years later, the resonating effects of the medical epidemic are still seen in the now-adult victims born during the time in which the drug was considered safe.

The mechanisms behind birth defects induced by thalidomide involve its teratogenic ability to bypass an intrinsically important embryonic defense system that is responsible for preventing toxic substances from entering embryonic cells as well as escorting tagged toxicants out of the cell. These crucial homeostatic cellular functions are carried out by efflux transporters found in the cytoplasmic membrane. Efflux transporters are members of the ATP-binding cassette (ABC) protein family, which use primary active transportation by means of ATP hydrolysis to provide energy for the translocation of toxic compounds out of the cell. Although the transport system is usually quite effective, it is entirely dependent upon these proteins to recognize and interact with the introduced chemical. Thalidomide is not, however, recognized by the transporters and therefore binding does not occur, allowing the chemical to remain within the cell.

Once thalidomide evades the efflux transportation system, it is capable of inducing oxidative stress to reactive oxygen species (ROS) dependent signaling pathways in the apical ectodermal ridge (AER), responsible for limb bud growth, as well as in the zone of polarizing activity (ZPA), responsible for the establishment of the anterior-posterior axis in the limb bud.

The mechanisms of thalidomide’s teratogenicity were identified through an experiment conducted by Jürgen Knobloch and Ulrich Rüther in 2007 on human skin cells and chick embryos. The experiment focused on two proteins responsible for cell division and differentiation of neighboring cells: bone morphogenetic protein (BMP) and Wnt protein. BMPs are responsible during embryonic development for inducing apoptosis, which is essential for spatial patterning and occurs when expression of a pro-apoptotic factor called Dickkopf1 (Dkk1) is promoted. In contrast to the BMP pathway, the Wnt/β-catenin pathway protects cells from apoptosis by blocking the apoptotic pathway. Knobloch and Rüther showed that, in chick embryos, thalidomide-induced oxidative stress causes a temporally and spatially limited upregulation of the BMP signaling pathway, resulting in hyperexpression of the BMP target gene Dkk1. Dkk1 acts as a Wnt antagonist causing the Wnt/β-catenin signaling pathway to become downregulated. From this downregulation, the promotion of apoptosis is observed in the AER as well as the ZPA, which results in limb truncation.

In recent years it has been discovered that non-pregnant individuals can benefit from the drug. One medical application of thalidomide involves its ability to assist in the treatment of multiple myeloma, and it was approved for this use by the US Food and Drug Administration in 2006. It is believed that thalidomide prevents the growth of tumors by inhibiting angiogenesis. Angiogenesis is the process of blood vessel growth, which is necessary for tumors to grow.

At the molecular level, thalidomide inhibits angiogenesis by intercalating or inserting itself into guanine-cytosine (G-C) rich regions of DNA. By this intercalation, thalidomide represses the promoter regions of insulin growth factor-1 (IGF-1) and fibroblast growth factor-2 (FGF2), both responsible for stimulating angiogenesis. Intercalation is also accepted as a plausible hypothesis for why embryonic limb buds cease to form. This is because limb bud formation during embryonic development is highly angiogenic, and disruption of the immature and rapidly growing blood vessel networks can result in limb truncation(s).


Concepção

Shortly after a woman&rsquos period begins, her body begins preparing for the possibility of pregnancy.

Approximately 2 weeks into her cycle, a woman releases an egg from one of her ovaries into her adjacent fallopian tube. Conception is now possible for the next 24 hours or so. Conception signifies the beginning of pregnancy and the beginning of human development.

After conception, the single-cell embryo has a diameter of approximately 4 thousandths of an inch.


Você pode gostar também

@anon136362: If a baby is born with a hole in its heart, or due to a flaw in gene expression, the baby's lungs do not develop correctly, or due to incomplete development of the limbs the baby is born without arms, or the mother miscarries at six weeks, what does that say about your incredible and ultra intelligent god then?

The truth is, you are seeing connections where they do not exist. Our evolutionary history is written into our embryos, the same as it is written into every vertebrate embryo. Human embryos share the same characteristics with all vertebrates.

From the beginning of embryonic development to about 41 days or so, the embryo develops a full grown tale and also possesses gill slits which hail back to our fish and monkey ancestors (Monkey-like to be more appropriate, our common ancestor with apes). The gill slits develop into what will become the lung tissue (Coincidental?). The tail, due to programmed cell death disappears leaving only the coccyx (our vestigial tail). Yet the tail is only physically gone however the genes that caused it to form in the first place are still written into the genetic code in a dormant state.

Our genetic code in and of itself is also far from unique. We share over 99 percent of our gene sequence with chimps and the same four proteins -- adenine, guanine, cytosine, and thymine -- are used to form the DNA sequences for every single living creature on Earth which again only highlights our common ancestry with all other species.

It does the human race no good to cling to beliefs written in a 3,000 year old book that was penned by men who believed that the earth was flat and had four corners (Job 38:13, Daniel 4:7-8), or that the reason we have so many different languages is because god was scared that humans were going to build a tower that could reach him (Genesis 11:1-9) who believed the Sun and Moon were made to stand still in the sky for 24 hours (Joshua 10:12-14). They believed this because they thought the Earth was the center of the universe). The Bible is not a science textbook and your interpretation of scripture as mystically being connected to the phases of human embryological development is closer to pagan numerology than to Christian beliefs.

However, if your comment was intended to display why it is wrong for a woman to choose to have an abortion if the child is unwanted, illegitimate, or the product of sexual assault, then please consult 2nd Samuel chapter 12 for God's position on abortion.

Despite David's fasting and praying to God to allow his child with Bathsheba to live, God kills the child for David's sin! Keep in mind this was a fully developed child, a fully born human being. And not only did God kill the child, but he made the child suffer for several days before finally allowing it to die. When the child dies, David stops fasting and praying, goes and has some lunch and then goes and has sex with Bathsheba again. This time because she is his wife now God doesn't get mad and he gives David and Bathsheba a son, the wise King Solomon, to make up for the dead kid (who by the way, was never even given a name).

This is the Bible's stance on baby killing! This is the nonsense that people who follow the Bible never bother to pay attention to. Next time someone tells you that baby killers and pro-choicer are going to hell, read them 2 Samuel chapter 12. What "an incredible, powerful and ultra-intelligent God!" Yeah, right! anon259823 April 8, 2012

In what way is that evidence of anything other than coincidence?

Evidence is fact based. Not vague number comparisons. anon140838 January 8, 2011

Amen to what anon136362 said. I completely and utterly agree. anon136362 December 22, 2010

To Anon67569: the number three is indeed God's special number! It's found through the whole Holy Bible (thousands of years before the Quran even existed), and the number three represents God's Holy Trinity: Father, Son and Holy Spirit. The baby's three stages are a representation of God our creator at work.

Not only that, but there are also 40 weeks of pregnancy (The number 40 means in the Bible a breakthrough or finalizing something), and by six weeks the baby's heart has begun pumping (God created man on the sixth day )!

All of this evidence just gives more proof to the existence of an incredible, powerful and ultra-intelligent God! anon67569 February 25, 2010

The holy book Quran which is over 1500 years old has a verse saying "God who created you in three stages in the womb".

Who else would know this some 1500 years ago? I'm pretty sure there were no ultrasound machines back then. anon37128 July 17, 2009

there is actually another stage called the Germinal stage that goes from conception to the end of the 2nd week and embryonic then follows bigmetal February 21, 2008

it is so exciting, tracking the development of your child! i'd suggest subscribing to an online calendar of fetal development, which sends you an email everyday with a new tidbit about what's going on with you and/or your baby. you find out all types of interesting stuff, get tips on what you should be eating, advice on preparing for the baby, etc. send it to your husband too, because men often aren't as connected to what's going on with you and your baby otherwise!



The prostate (Fig. 1160) is a firm, partly glandular and partly muscular body, which is placed immediately below the internal urethral orifice and around the commencement of the urethra. It is situated in the pelvic cavity, below the lower part of the symphysis pubis, above the superior fascia of the urogenital diaphragm, and in front of the rectum, through which it may be distinctly felt, especially when enlarged. It is about the size of a chestnut and somewhat conical in shape, and presents for examination a base, an apex, an anterior, a posterior and two lateral surfaces.

The base (basis prostatæ) is directed upward, and is applied to the inferior surface of the bladder, The greater part of this surface is directly continuous with the bladder wall the urethra penetrates it nearer its anterior than its posterior border.

The apex (apex prostatæ) is directed downward, and is in contact with the superior fascia of the urogenital diaphragm.

Surface

The posterior surface (facies posterior) is flattened from side to side and slightly convex from above downward it is separated from the rectum by its sheath and some loose connective tissue, and is distant about 4 cm. from the anus. Near its upper border there is a depression through which the two ejaculatory ducts enter the prostate. This depression serves to divide the posterior surface into a lower larger and an upper smaller part. The upper smaller part constitutes the middle lobe of the prostate and intervenes between the ejaculatory ducts and the urethra it varies greatly in size, and in some cases is destitute of glandular tissue. The lower larger portion sometimes presents a shallow median furrow, which imperfectly separates it into a right and a left lateral lobe: these form the main mass of the gland and are directly continuous with each other behind the urethra. In front of the urethra they are connected by a band which is named the isthmus: this consists of the same tissues as the capsule and is devoid of glandular substance.

The anterior surface (facies anterior) measures about 2.5 cm. from above downward but is narrow and convex from side to side. It is placed about 2 cm. behind the pubic symphysis, from which it is separated by a plexus of veins and a quantity of loose fat. It is connected to the pubic bone on either side by the puboprostatic ligaments. The urethra emerges from this surface a little above and in front of the apex of the gland.

The lateral surfaces are prominent, and are covered by the anterior portions of the Levatores ani, which are, however, separated from the gland by a plexus of veins.

The prostate measures about 4 cm. transversely at the base, 2 cm. in its antero-posterior diameter, and 3 cm. in its vertical diameter. Its weight is about 8 gm. It is held in its position by the puboprostatic ligaments by the superior fascia of the urogenital diaphragm, which invests the prostate and the commencement of the membranous portion of the urethra and by the anterior portions of the Levatores ani, which pass backward from the pubis and embrace the sides of the prostate. These portions of the Levatores ani, from the support they afford to the prostate, are named the Levatores prostatæ.

The prostate is perforated by the urethra and the ejaculatory ducts. The urethra usually lies along the junction of its anterior with its middle third. The ejaculatory ducts pass obliquely downward and forward through the posterior part of the prostate, and open into the prostatic portion of the urethra.

Estrutura

The prostate is immediately enveloped by a thin but firm fibrous capsule, distinct from that derived from the fascia endopelvina, and separated from it by a plexus of veins. This capsule is firmly adherent to the prostate and is structurally continuous with the stroma of the gland, being composed of the same tissues, viz.: non-striped muscle and fibrous tissue. The substance of the prostate is of a pale reddish-gray color, of great density, and not easily torn. It consists of glandular substance and muscular tissue.

The muscular tissue according to Kölliker, constitutes the proper stroma of the prostate the connective tissue being very scanty, and simply forming between the muscular fibers, thin trabeculæ, in which the vessels and nerves of the gland ramify. The muscular tissue is arranged as follows: immediately beneath the fibrous capsule is a dense layer, which forms an investing sheath for the gland secondly, around the urethra, as it lies in the prostate, is another dense layer of circular fibers, continuous above with the internal layer of the muscular coat of the bladder, and blending below with the fibers surrounding the membranous portion of the urethra. Between these two layers strong bands of muscular tissue, which decussate freely, form meshes in which the glandular structure of the organ is imbedded. In that part of the gland which is situated in front of the urethra the muscular tissue is especially dense, and there is here little or no gland tissue while in that part which is behind the urethra the muscular tissue presents a wide-meshed structure, which is densest at the base of the gland—that is, near the bladder—becoming looser and more sponge-like toward the apex of the organ.

The glandular substance is composed of numerous follicular pouches the lining of which frequently shows papillary elevations. The follicles open into elongated canals, which join to form from twelve to twenty small excretory ducts. They are connected together by areolar tissue, supported by prolongations from the fibrous capsule and muscular stroma, and enclosed in a delicate capillary plexus. The epithelium which lines the canals and the terminal vesicles is of the columnar variety. The prostatic ducts open into the floor of the prostatic portion of the urethra, and are lined by two layers of epithelium, the inner layer consisting of columnar and the outer of small cubical cells. Small colloid masses, known as amyloid bodies are often found in the gland tubes.

Vessels and Nerves

The arteries supplying the prostate are derived from the internal pudendal, inferior vesical, and middle hemorrhoidal. Its veins form a plexus around the sides and base of the gland they receive in front the dorsal vein of the penis, and end in the hypogastric veins. The nerves are derived from the pelvic plexus.


Assista o vídeo: Desenvolvimento Embrionário e Fetal e a Restrição do Crescimento Intra-Uterino (Agosto 2022).