Em formação

12.3: Estrutura e função das membranas plasmáticas - Biologia

12.3: Estrutura e função das membranas plasmáticas - Biologia



We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

A membrana plasmática, também chamada de membrana celular, tem muitas funções, mas a mais básica é definir as bordas da célula e mantê-la funcional. A membrana plasmática é seletivamente permeável. Isso significa que a membrana permite que alguns materiais entrem ou saiam livremente da célula, enquanto outros materiais não podem se mover livremente, mas requerem o uso de uma estrutura especializada e, ocasionalmente, até mesmo investimento de energia para a travessia.

  • 12.3.1: Prelúdio para a Estrutura e Função das Membranas de Plasma
    Apesar de sua aparente agitação, a Grand Central Station funciona com um alto nível de organização: pessoas e objetos se movem de um local para outro, eles cruzam ou estão contidos dentro de certos limites e fornecem um fluxo constante como parte de uma atividade maior. Analogamente, as funções de uma membrana plasmática envolvem movimento dentro da célula e através dos limites no processo de atividades intracelulares e intercelulares.
  • 12.3.2: Componentes e Estrutura
    Entre as funções mais sofisticadas da membrana plasmática está a capacidade de transmitir sinais por meio de proteínas integrais complexas conhecidas como receptores. Essas proteínas atuam tanto como receptores de entradas extracelulares quanto como ativadores de processos intracelulares. Esses receptores de membrana fornecem locais de ligação extracelular para efetores, como hormônios e fatores de crescimento, e ativam cascatas de resposta intracelular quando seus efetores são ligados. Ocasionalmente, os receptores são sequestrados por vírus
  • 12.3.3: Transporte Passivo
    As membranas plasmáticas devem permitir que certas substâncias entrem e saiam de uma célula e evitar que alguns materiais nocivos entrem e alguns materiais essenciais saiam. Em outras palavras, as membranas plasmáticas são seletivamente permeáveis ​​- permitem a passagem de algumas substâncias, mas não de outras. Se perdessem essa seletividade, a célula não seria mais capaz de se sustentar e seria destruída. Algumas células requerem maiores quantidades de substâncias específicas do que outras células.
  • 12.3.4: Transporte Ativo
    Os mecanismos de transporte ativos requerem o uso da energia da célula, geralmente na forma de trifosfato de adenosina (ATP). Se uma substância deve se mover para dentro da célula contra seu gradiente de concentração - isto é, se a concentração da substância dentro da célula é maior do que sua concentração no fluido extracelular (e vice-versa) - a célula deve usar energia para mover a substância. Alguns mecanismos de transporte ativo movem materiais de baixo peso molecular, como íons, através da membrana.
  • 12.3.5: Transporte a granel
    Além de mover pequenos íons e moléculas através da membrana, as células também precisam remover e absorver moléculas e partículas maiores (consulte a Tabela 5.4.1 para exemplos). Algumas células são mesmo capazes de engolfar microrganismos unicelulares inteiros. Você pode ter hipotetizado corretamente que a absorção e liberação de partículas grandes pela célula requer energia. Uma partícula grande, entretanto, não consegue passar pela membrana, mesmo com a energia fornecida pela célula.
  • 12.3.E: Estrutura e função das membranas de plasma (exercícios)

Contribuidores

  • Connie Rye (East Mississippi Community College), Robert Wise (University of Wisconsin, Oshkosh), Vladimir Jurukovski (Suffolk County Community College), Jean DeSaix (University of North Carolina em Chapel Hill), Jung Choi (Georgia Institute of Technology), Yael Avissar (Rhode Island College), entre outros autores contribuintes. Conteúdo original da OpenStax (CC BY 4.0; baixe gratuitamente em http://cnx.org/contents/[email protected]).


Transporte facilitado

O material a ser transportado é primeiro ligado a receptores de proteína ou glicoproteína na superfície externa da membrana plasmática. Isso permite que o material necessário à célula seja removido do fluido extracelular. As substâncias são então passadas para proteínas integrais específicas que facilitam sua passagem. Algumas dessas proteínas integrais são coleções de folhas beta pregueadas que formam um poro ou canal através da bicamada fosfolipídica. Outras são proteínas transportadoras que se ligam à substância e auxiliam sua difusão através da membrana.


5,6 Resumo do Capítulo

A compreensão moderna da membrana plasmática é chamada de modelo de mosaico fluido. A membrana plasmática é composta por uma bicamada de fosfolipídios, com suas caudas hidrofóbicas de ácidos graxos em contato umas com as outras. A paisagem da membrana é cravejada de proteínas, algumas das quais se estendem pela membrana. Algumas dessas proteínas servem para transportar materiais para dentro ou para fora da célula. Os carboidratos estão ligados a algumas das proteínas e lipídios na superfície externa da membrana, formando complexos que funcionam para identificar a célula para outras células. A natureza fluida da membrana é devida à temperatura, a configuração das caudas de ácidos graxos (algumas dobradas por ligações duplas), a presença de colesterol embutido na membrana e a natureza em mosaico das proteínas e combinações de proteína-carboidrato, que são não está firmemente fixado no lugar. As membranas plasmáticas envolvem e definem as fronteiras das células, mas, em vez de serem um saco estático, são dinâmicas e estão em constante fluxo.

5.2 Transporte Passivo

As formas passivas de transporte, difusão e osmose movem materiais de baixo peso molecular através das membranas. As substâncias se difundem de áreas de alta concentração para áreas de baixa concentração, e esse processo continua até que a substância seja uniformemente distribuída em um sistema. Em soluções contendo mais de uma substância, cada tipo de molécula se difunde de acordo com seu próprio gradiente de concentração, independente da difusão de outras substâncias. Muitos fatores podem afetar a taxa de difusão, incluindo gradiente de concentração, tamanho das partículas que estão se difundindo, temperatura do sistema e assim por diante.

Em sistemas vivos, a difusão de substâncias para dentro e para fora das células é mediada pela membrana plasmática. Alguns materiais se difundem facilmente através da membrana, mas outros são impedidos e sua passagem é possibilitada por proteínas especializadas, como canais e transportadores. A química dos seres vivos ocorre em soluções aquosas, e equilibrar as concentrações dessas soluções é um problema constante. Em sistemas vivos, a difusão de algumas substâncias seria lenta ou difícil sem proteínas de membrana que facilitam o transporte.

5.3 Transporte Ativo

O gradiente combinado que afeta um íon inclui seu gradiente de concentração e seu gradiente elétrico. Um íon positivo, por exemplo, pode tender a se difundir em uma nova área, descendo seu gradiente de concentração, mas se estiver se difundindo em uma área de carga positiva líquida, sua difusão será prejudicada por seu gradiente elétrico. Ao lidar com íons em soluções aquosas, uma combinação dos gradientes eletroquímicos e de concentração, ao invés de apenas o gradiente de concentração sozinho, deve ser considerada. As células vivas precisam de certas substâncias que existem dentro da célula em concentrações maiores do que as existentes no espaço extracelular. Mover substâncias em seus gradientes eletroquímicos requer energia da célula. O transporte ativo usa a energia armazenada em ATP para abastecer esse transporte. O transporte ativo de pequenos materiais de tamanho molecular usa proteínas integrais na membrana celular para mover os materiais: essas proteínas são análogas às bombas. Algumas bombas, que realizam o transporte ativo primário, acoplam-se diretamente ao ATP para conduzir sua ação. No co-transporte (ou transporte ativo secundário), a energia do transporte primário pode ser usada para mover outra substância para dentro da célula e subir seu gradiente de concentração.

5.4 Transporte a granel

Os métodos de transporte ativo requerem o uso direto de ATP para abastecer o transporte. Partículas grandes, como macromoléculas, partes de células ou células inteiras, podem ser engolfadas por outras células em um processo denominado fagocitose. Na fagocitose, uma porção da membrana invagina e flui ao redor da partícula, eventualmente se separando e deixando a partícula inteiramente envolvida por um envelope de membrana plasmática. O conteúdo da vesícula é decomposto pela célula, com as partículas usadas como alimento ou despachadas. A pinocitose é um processo semelhante em menor escala. A membrana plasmática se invagina e se solta, produzindo um pequeno envelope de fluido de fora da célula. A pinocitose importa substâncias de que a célula precisa do fluido extracelular. A célula expele os resíduos de maneira semelhante, mas reversa: ela empurra um vacúolo membranoso para a membrana plasmática, permitindo que o vacúolo se funda com a membrana e se incorpore à estrutura da membrana, liberando seu conteúdo para o exterior.


12.3: Estrutura e função das membranas plasmáticas - Biologia

  • Você está aqui: & # 160
  • Casa
  • Livros didáticos do Departamento de Biologia de Andover
  • Openstax Biology for AP Courses (livro-texto para a sequência Bio58x)
  • Bio581
  • Capítulo 5 Estrutura e Função das Membranas de Plasma
  • 5.9 Teste de preparação para cursos AP

Este texto é baseado em Openstax Biology for AP Courses, Autores contribuintes sênior Julianne Zedalis, The Bishop's School em La Jolla, CA, John Eggebrecht, Cornell University Autores contribuintes Yael Avissar, Rhode Island College, Jung Choi, Georgia Institute of Technology, Jean DeSaix , University of North Carolina em Chapel Hill, Vladimir Jurukovski, Suffolk County Community College, Connie Rye, East Mississippi Community College, Robert Wise, University of Wisconsin, Oshkosh

Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Unported, sem restrições adicionais


Assista o vídeo: Inside the Cell Membrane (Agosto 2022).